Poesias enviadas
Poesias enviadas

ENVIE SUA POESIA OU CONTO PARA O NOSSO SITE, E DIVULGUE CONOSCO O SEU TRABALHO.


Ver Comentários  ::  Deixar Comentário


Comentários: 73   Páginas: 15                << Primeiro  |  < Atrás  |  1 2 3 4 5 6 7  |  Seguinte >  |  Último >>

Post 6 Inserido por Comentário:
Nome: PAULO R. S. FRANCO
De: Rio de Janeiro/RJ
EMail: Contacto
VOLTAR É O PIOR CAMINHO

Não hei de temer a morte
e nem reclamar da sorte.
Toque-se o barco pra frente.
Olhar pra trás é pecado;
o que passou é passado.
Pra frente, que atrás vem gente!
Tem um ditado certinho:
“voltar, é o pior caminho”.

Se, num ponto da estrada,
gente, mal intencionada,
me atrapalhar um pouquinho
(lembrei-me da citação):
todos eles passarão;
e eu, é claro, passarinho.
Recuar? Nem um passinho!
Voltar, é o pior caminho.

E, se ao chegar ao destino,
aquele “céu”, que imagino,
for coisa bem diferente...
desarmo a barraca “na hora”;
faço as malas, vou-me embora.
O Inferno é mais adiante?
Sigo pra lá num instante.
Teimoso eu sou (um pouquinho).
Voltar, é o pior caminho.
Adicionado: November 2, 2013 Responder a esta entrada  Apagar esta entrada  Ver IP
Post 7 Inserido por Comentário:
Nome: PAULO R. S. FRANCO
De: Rio de Janeiro/RJ
EMail: Contacto
COMO SE UM TANGO BASTASSE

Nem sempre “frio en’el alma”;
às vezes fogo no peito.
Nem sempre o prazer e a calma;
às vezes, a dor e o amor mal feito.

Nem sempre “lábios calientes” ;
às vezes, dentes cerrados.
Um sibilar de serpente.
Um veneno inesperado.

Nem sempre mãos de veludo;
às vezes garras e dentes;
um rio alagando tudo,
ondas “rompendo corrientes”.

E, como se um tango bastasse,
saímos bailando “por el salon”,
como se nada importasse
além dos acordes “del bandonion”.
Adicionado: November 2, 2013 Responder a esta entrada  Apagar esta entrada  Ver IP
Post 8 Inserido por Comentário:
Nome: PAULO R. S. FRANCO
De: rIO DE jANEIRO
EMail: Contacto
TESOURA E PAPEL

Era uma vez: um menino
calado, franzino,
mas de olhos espertos.
Passava-se o dia
e a gente esquecia
que ele estava por perto.

Natal se aproximava
e o menino contava
os dias nos dedos.
Mas o dinheiro faltava,
e ele mesmo inventava
seus próprios brinquedos.

Com uma tesoura,
um cabo de vassoura,
um papel cartão...
E ora era um carrinho
ora, um cavalinho
ou um avião.

E assim o tempo passou
e, um dia, desencantou
aquele “papai-noel”.
E nunca mais, os problemas,
resolveram-se apenas
com tesoura e papel.
Adicionado: November 2, 2013 Responder a esta entrada  Apagar esta entrada  Ver IP
Post 9 Inserido por Comentário:
Nome: Luis Pereira
De: Capivari/SP.
EMail: Contacto
(...)Nesse momento, uma luz brilhante adentrou-se no quarto e, incorporou-lhe a sua aura. E, ele sentiu que o seu coração bateu compassadamente, embora uma dor aguda comprimisse-lhe o peito, mesmo assim encheu-se de júbilo e uma alegria infindável banhara toda a sua alma. Nessa hora percebeu que Deus estava a seu lado, então, não teve mais medo, fechou os olhos e, deixou que seu corpo começasse a flutuar levemente. Uma luz mais forte, acompanhada de duas luzes menores e mais penetrantes adentrou-se no quarto e, passou a conduzi-lo. Ele parecia não querer ir e, volta e meia olhava para a cama e lá estava o seu corpo estirado. Mas como deixar o corpo se a sua vontade era a de retornar?...porém havia um sopro maior e uma luz Divina que o convidava para ir em frente. Daí, ele não resistiu e, soltou o corpo de vez, deixando que a sua aura se confundisse com a luz que o conduzia, levitando como alvas plumas até chegar próximo das estrelas que os esperavam com as suas luzes prateadas, confundindo-se, já com a pureza da sua alva alma que tinha aprendido a lição do verdadeiro amor...
(trecho do meu livro: Murmúrios de uma primavera)
Adicionado: June 30, 2013 Responder a esta entrada  Apagar esta entrada  Ver IP
Post 10 Inserido por Comentário:
Nome: Antonio Sergio Bortoleto
De: Rio das Pedras
EMail: Contacto
O homem do campo

É madrugada, escura mas é bela.
Ainda o pássaro noturno a cantar.
Alguém esfrega o olhos ao se levantar. Faz sua oração para mais um dia de vida.

Olha pela janela, a sua feliz morada.
Acende a vela que ainda está apagada.
Faz suua oração para mais um dia de vida.

Olha para a família.
A todos ele abençoa.
Dá graças àquela terra de sustento.
E parte para o trabalho com todo o seu alento.
Adicionado: May 28, 2013 Responder a esta entrada  Apagar esta entrada  Ver IP

<< Primeiro  |  < Atrás  |  1 2 3 4 5 6 7  |  Seguinte >  |  Último >>